Conecte-se conosco

Moda e Beleza

Cuidados no salão: dicas para evitar micose ao fazer as unhas

Preocupação com a higienização de materiais utilizados em manicures e pedicures deve ser ainda maior

Publicado

em

Com o fim das medidas de restrição de horários e público para funcionamento de comércios, bares, restaurantes, salões de beleza e outros estabelecimentos tendem a ficar cada vez mais movimentados. E, quando se trata das idas à salões de beleza, além da cautela por conta da Covid-19, é necessário o cuidado com os utensílios utilizados no momento de fazer as unhas. A médica especialista em dermatologia, Dra. Flavia Villela (CRM-SP 150947), explica o porquê:

“Dentre tantas causas, muitas pessoas acreditam que a micose de unha pode aparecer devido ao uso frequente de esmaltes cosméticos. Porém, isso é um grande mito. O que realmente deve demandar atenção, no que se refere a manter as unhas feitas, é o compartilhamento de materiais utilizados na manicure e pedicure. Objetos de uso compartilhado, como alicates, lixas, toalhas e até esmaltes, se não forem devidamente esterilizados e higienizados, podem transmitir fungos ao entrar em contato com uma unha contaminada anteriormente”. No caso das idas ao salão, uma alternativa é levar um kit próprio.

São esses fungos presentes nas unhas que podem desenvolver a onicomicose, popularmente conhecida como micose de unha. “Alguns sinais que podem evidenciar são: unhas quebradiças, amareladas e variações na espessura e textura da unha”, orienta a dermatologista.

Apesar dos sintomas parecerem simples, caso a micose de unha não seja tratada, as unhas podem descolar, inflamar e até causar dor. Por esse motivo, é necessário visitar um dermatologista para fazer o diagnóstico correto e iniciar um tratamento o quanto antes.

Além desses cuidados, a Dra. Flavia recomenda deixar as unhas ao natural pelo menos uma semana por mês. “Como disse, o uso frequente de esmaltes não causa micose. No entanto, podem deixá-las quebradiças e mais propensas a infiltração. Deixando a região mais vulnerável e propícia para a instalação de fungos”.

Com informações Estadão Conteúdo

Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

destaques