Conecte-se conosco

Sobre Elas

Feminicídio: número de casos aumenta 46% no Estado

O marido foi o autor de 26,3% de feminicídios ocorridos no Estado em 2021.

Publicado

em

O número de casos de feminicídio no Espírito Santo em 2021 teve um aumento de 46,2% em relação a 2020. Foram registrados 38 casos no ano passado contra 26 em 2020. O mês mais violento para as mulheres no Estado foi junho, quando 6 foram vítimas de feminicídio.

O marido de 26,3% das vítimas foi o autor do crime. Já em 21,1% dos assassinatos de mulheres, o autor foi o ex-marido. Em 15,8%, foi o namorado.

Os dias da semana em que mais ocorreram os crimes foram terça-feira e sábado, concentrando 21,1% dos casos em cada dia. E a faixa horária mais violenta foi entre 18h e 19h, o que corresponde, geralmente, ao horário de saída do trabalho das mulheres.

A Grande Vitória tem o maior número de casos absolutos (14). Na Região Metropolitana, o registro de feminicídio – quando a mulher é assassinada por questão de gênero, geralmente pelo companheiro ou pelo ex – subiu 75%, pulando de 8 para 14 assassinatos.

A região Sul também registrou aumento no número de casos – foi de 5 para 8, um salto de 60%. Mas foi a região Noroeste que bateu um triste recorde e ficou no topo do ranking do feminicídio no Estado. O aumento desse tipo de crime na região foi de 300%, subindo de 2 casos, em 2020, para 8, no ano passado.

Já a região Serrana reduziu em 20% o número de assassinatos de mulheres, caindo de 5 para 4 casos. E a região Norte reduziu em 33,3%, de 6 feminicídios praticados em 2020 para 4, no ano passado.

Ao todo, 106 mulheres foram mortas no Estado ao longo de 2021. Os feminícios (38 casos) correspondem a 36% dos assassinatos. O números gerais também representam aumento em comparação ao ano passado, quando foram registrados 102 assassinatos (aumento de 3,9%).

O último trimestre, porém, vem apresentando tendência de queda, já que outubro registrou 18 assassinatos de mulheres, contra 7, em novembro (redução de 61,1%), e 2 em dezembro (redução de 71,4% em relação a novembro). Já nos crimes gerais contra mulheres – que entre as principais motivações está o tráfico de drogas – o uso de arma de fogo esteve presnte em 61% dos crimes.

destaques