Conecte-se conosco

Colunista | Maria Marcelino

INSATISFAÇÃO PROFISSIONAL: 72% das pessoas estão insatisfeitas com o trabalho. E você pode ser uma delas!

Maria Marcelino é Analista de Perfil Comportamental, Educadora, Consultora em PNL e Coaching Professional & Life. Mestranda em Desenvolvimento Cultural com Cooperação Internacional (UNB).

Publicado

em

Atualmente, vivemos um momento de muitas incertezas e mudanças globais. No mundo dos negócios não é diferente. Com o advento da pandemia e todas as alterações em nossas estruturas sociais, culturais, econômicas e políticas, gerir os negócios e continuar no mercado, tornou-se ainda mais desafiador.

O capital humano, é o principal elo de mudanças, lembro sempre da frase que diz: Se você não sabe lidar com pessoas, não entende de negócios. Logo, saber mais sobre “gente”, é essencial.

Uma pesquisa da Isma Brasil (International Stress Management Association) revelou que 72% das pessoas estão insatisfeitas com o trabalho e 63% dos casos de insatisfação no trabalho são atribuídos a problemas de relacionamento interpessoal.  Toda essa insatisfação está diretamente ligada ao crescimento do estress e também da depressão, já que passamos a maior parte do nosso tempo dedicados ao trabalho.

Estreio essa coluna escrevendo, sobre o que vivenciei, a insatisfação e suas consequências na vida profissional. A baixa estima interna de realização significa que alguma mudança deve ocorrer para a melhora do desempenho. Quando o profissional se sente insatisfeito com o trabalho que realiza há algum tempo, ou este trabalho não faz mais sentido, ou variáveis como o ambiente interno ou externo organizacional estão trazendo essa insatisfação.

Há 07 anos, eu estava exatamente assim, insatisfeita com minha carreira profissional, atuando há 10 anos nas áreas administrativas, processuais e de controle. Percebia que minha performance não era mais a mesma, isso impactava diretamente nas relações interpessoais, uma comunicação com ruídos, conflitos, desmotivação, entre outros, me levou a buscar ferramentas de autoconhecimento, precisava identificar claramente o que motivava a sair da profissão.

A verdade é que todas as profissões possuem um conjunto de atividades rotineiras. É comum que todo profissional goste mais de algumas tarefas do que de outras. Além disso, o financeiro conta muito nestes casos, alguns profissionais continuam em suas carreiras mesmo insatisfeitos, por conta do retorno financeiro. Experienciei essas indagações por um determinado tempo, mas estava decidida a saber mais a meu respeito, conhecer minhas habilidades e potencialidades, seriam determinantes para fazer uma transição ou encontrar dentro da minha área de atuação algo que me realizasse.

Conheci a ferramenta de Mapeamento Comportamental (DISC), a qual me ajudou a conhecer meu perfil comportamental, conhecer a minha real essência, em que eu realmente sou excelente e também os meus pontos francos. Ao saber disso, entendi minha insatisfação profissional, 10 anos atuando em uma área em que não era excelente e não estava executando com paixão e alta performance.

Afirmo a você leitor, que ter autoconhecimento é a chave para evitar as insatisfações na vida pessoal e profissional. Saber seus pontos fortes e pontos a melhorar, os valores que o motivam, seu estilo de liderança, as potencialidades que não estão sendo exploradas, os medos e necessidades, os pontos de estresse, sua forma de assimilar informações e fazer escolhas, o ambiente de trabalho congruente com o seu perfil, entre outros aspectos, são fundamentais para fazer uma boa transição de carreira, realocação dentro da organização e alcançar a alta performance profissional.

Para alcançar as competências da alta performance é necessário entender como potencializar suas características e habilidades diariamente. A partir do momento em que você toma consciência de quais são as competências da alta performance, entende que seu comportamento precisa melhorar. E está em suas mãos mudar de atitude, flexibilizar este ou aquele traço mais evidente e enfatizar outros.

Você pode estar se perguntando, mas estamos em pandemia, como posso sair do atual emprego e fazer outra coisa que me traga satisfação profissional? Como posso deixar o certo pelo duvidoso?  Calma, o mais importante é saber em que você é excelente, o que você mais gosta de fazer, o que as pessoas mais elogiam em você, saber disso é fundamental. Não importa o que seja, pode ser saber fazer um bolo, saber costurar roupas, sobre redes sociais, criar e fazer posts, conhecer de e-commerce, e por aí vai. Perceba que as novas profissões já estão no mercado e você pode ter características e habilidades para tais.

Encerro o texto, com 5 dicas para te ajudar a tornar mais fácil a sua transição de carreira ou realocação dentro da organização que você está.

  1. Identifique os motivos da sua insatisfação com a área de atuação;
  2. Busque o autoconhecimento, saiba mais sobre você;
  3. Investigue novas áreas as quais você tem interesse, ou percebe que poderá atuar;
  4. Organize seu financeiro, ter um bom planejamento e uma reserva financeira te dará mais confiança;
  5. Estude, uma formação acadêmica é uma das maneiras de iniciar uma nova profissão, para quem tem curso superior fazer uma pós-graduação na área desejada ou afim. Além dos infinitos congressos, cursos, palestras e workshops que existem gratuitos na internet.  Conhecimento é bem-vindo em qualquer momento da vida.

Conhecendo e desenvolvendo suas habilidades, você irá desenvolver não apenas as competências da alta performance, mas também em todas as áreas mais relevantes de sua carreira profissional.  Espero que você trilhe novos caminhos e tenha uma vida profissional feliz.   

destaques