Conecte-se conosco

Bem-estar

Série Especial Outubro Rosa: Número de mamografias realizadas em 2020 é 45% menor que em 2019

Especialista alerta que as consequências da redução do rastreamento no último ano não são boas

Publicado

em

O prolongamento da pandemia de covid-19 e a redução da procura de serviços médicos por parte das mulheres têm preocupado especialistas da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM). Segundo a entidade, houve queda de 70% na presença de mulheres nas unidades hospitalares.

No Outubro Rosa, mês de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, a entidade reforça a importância da realização de exames preventivos e visitas regulares ao médico.

A campanha Quanto Antes Melhor chama a atenção para a necessidade de adoção de um estilo de vida que inclua a prática de atividades físicas e uma alimentação saudável, minimizando riscos não só do câncer de mama, como de muitas outras doenças. Outra mensagem-chave da entidade diz respeito ao início imediato de tratamento, logo após o diagnóstico, aumentando a sobrevida e chances de cura da paciente.

O presidente da SBM, o médico mastologista Vilmar Marques, alerta que o atual contexto requer muita atenção devido ao quadro pandêmico que reduziu a procura e a realização de exames preventivos.

De janeiro a julho de 2020, o número de mamografias realizadas caiu 45% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Câncer de Mama, em parceria com a SBM.

“Mastologistas da SBM em todo o Brasil monitoraram essa movimentação que, certamente, variou de região para região, porém em todo o território nacional houve queda na procura por exames preventivos e tratamento”, afirma Marques.

O especialista alerta que as consequências da redução do rastreamento no último ano não são boas. “O câncer não espera. As mulheres que deixaram de realizar os exames preventivos correram e correm o risco de, se diagnosticadas, terem avançado na doença, pois de um modo geral, o tumor demora cerca de 10 anos para atingir um centímetro, porém, a partir daí a cada 6 meses tende a dobrar de tamanho, avançando muito rapidamente, claro, tendo suas especificações de tipo de câncer”, alerta.

Por isso, o diagnóstico precoce é tão importante. “Insistimos na mensagem do diagnóstico precoce porque realmente ele é determinante para a paciente e suas chances de passar por tratamento e cirurgias menos invasivas, além da real chance de cura. No Brasil, cerca de 25% a 30% dos cânceres de mama são diagnosticado em estágio avançado”, afirma o médico.

Para ele, a crise econômica causada pela pandemia, que levou muitas famílias a abandonarem seus planos de saúde, é um dos um dos motivos pela baixa procura nos exames, mas não o principal. “Este é um dos fatores, mas não o principal. O principal foi o isolamento social, sem dúvida alguma”.

Ele lembra que, além do Sistema Único de Saúde (SUS), as mulheres podem fazer os exames de forma gratuita nas instituições filantrópicas como as Santas Casas e outras entidades assistenciais.

veja também:

https://tubusca.com.br/tecnologia-do-bem/

https://tubusca.com.br/outubro-rosa-sicoob-leste-capixaba-disponibiliza-mais-de-1-000-mamografias-gratuitas-do-projeto-prevenir/

Compreendemos a nossa impotência diante da pandemia e do isolamento social que foi necessário em certo período. Mas, agora, com o avanço da vacinação, é primordial que não só seja retomada a rotina de tratamento, como acelerada. Quanto antes retomar, melhor“, alerta o mastologista.

Com informações da Agência Brasil

Foto: Divulgação Sociedade Brasileira de Mastologia

Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

destaques