Conecte-se conosco

Bem-estar

Série Especial Outubro Rosa: vacinação contra Covid-19 e mamografia: qual a relação?

Sociedade Brasileira de Mastologia e o Colégio Brasileiro de Radiologia recomendam o adiamento da mamografia de rotina após a imunização contra a COVID-19.

Publicado

em

O alerta foi dado por entidades médicas relevantes, como a Sociedade Brasileira de Mastologia e o Colégio Brasileiro de Radiologia. Ambas recomendam o adiamento da mamografia de rotina após a imunização contra a COVID-19. A orientação está relacionada a registros de aumento transitório dos linfonodos axilares após vacinação contra COVID-19, quadro que pode ocasionar interpretações errôneas sobre a presença de sinais que indicam de câncer de mama.

E você sabe por que pode ocorrer esse efeito após a vacinação? A mastologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Natália Cordeiro, explica que esse tipo de reação é normal e não é exclusivamente causada pelo imunizante contra o novo coronavírus.

Casos semelhantes foram detectados depois da aplicação de vacinas contra HPV e H1N1 e até na BCG. Mas no caso atual, pelo contexto endêmico e de vacinação em massa, é percebido um número maior de casos, levando à necessidade do alerta.

“Os linfonodos fazem parte do nosso sistema imunológico e detectam o que é potencialmente nocivo ao organismo, desencadeando uma resposta imune”, conta. 

No caso dos linfonodos axilares, que podem crescer após a vacina contra a COVID-19, a especialista explica que eles funcionam como sentinelas do que afeta os membros superiores e tendem a crescer em inúmeras situações. “Até uma unha infeccionada pode ocasionar esse efeito e a paciente pode perceber esse aumento da “íngua” – como é conhecido popularmente- e ter dor. Mas, muitas vezes, esse fenômemo é imperceptível e só detectado no exame clínico e de imagem”, esclarece.  

A recomendação para quem apresentar alterações dos linfonodos axilares após a vacinação é redobrar a atenção com a busca de lesões suspeitas na mama. “Se houver registro de aumento dos linfonodos axilares, mas sem alteração na mama, o ideal é postergar a realização da mamografia entre 4 a 12 semanas, período em que as estruturas devem voltar ao tamanho habitual. Caso isso não ocorra e haja persistência, deve se prosseguir investigação”, conta. 

Leia também:

https://tubusca.com.br/serie-especial-outubro-rosa-numero-de-mamografias-realizadas-em-2020-e-45-menor-que-em-2019/

https://tubusca.com.br/tecnologia-do-bem/

Para as mulheres que já têm indicação médica para realizar o exame ou que estão com o acompanhamento em atraso, o quadro muda e os especialistas sugerem que a realização do exame ocorra no prazo mais breve possível. “Nestes cenários é imprescindível que a paciente mantenha a rotina e a realização da mamografia independentemente da vacinação”, alerta a mastologista.  

Quando realizar a mamografia?

  • Todas as mulheres, a partir de 40 anos, devem realizá-la uma vez ao ano
  • Recomenda-se aguardar quatro semanas após a vacinação em caso de mulheres que estão com seus exames em dia
  • Ao realizar o exame, informe que foi vacinada e em qual braço foi aplicada a imunização. Esse dado é importante para avaliação médica das imagens 
  • Mulheres que já têm alteração suspeita como nódulos novos palpáveis não devem adiar o exame, assim como as mulheres que já estão com exames atrasados
  • A vacina em hipótese nenhuma causa câncer de mama. Vacine-se.

Foto Divulgação

Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

destaques